[Divulgação | Lançamento] Sorte ou Azar?

em 9.12.16 Um comentário
Pensa
em um livro capaz de ganhá-lo só pela sinopse!

Foi assim comigo ao ver a divulgação de Sorte ou Azar? no blog Livreando. Interessei-me MUITO por essa leitura, pois o autor ousou trazer como protagonista alguém que parece ter nascido no lugar errado, trabalhar no lugar errado, ter os amigos errados... (rs). Enfim, alguém como nós, que às vezes simplesmente não tem sorte.

'Bora conhecer a obra e seu autor?


Título: Sorte ou Azar?
Autor: Filipe Salomão
Editora: Chiado | 2016 | 300 páginas
Sinopse: Esse livro não irá te emocionar, não irá fazer você refletir, não irá te surpreender.
Pedro não tinha sorte, não nasceu em uma família de sorte, não tinha bons amigos, não tinha um bom emprego. Pedro não merecia nada de bom.

Sorte, sorte é ter um exemplo dentro de casa.
Azar, azar é seguir o exemplo errado.

Sorte, sorte é você fazer algo impulsivamente.
Azar, azar é você se arrepender disso.

Nesse livro, você será apresentado a Pedro: um garoto que nasceu na família errada, no momento errado e com as influências erradas.
Durante a narrativa de sua infância e juventude vivenciaremos com ele experiências como a morte prematura do pai, drogas, sexo, uma amizade um tanto quanto questionável com uma prostituta e um amigo com, digamos, mais sorte do que ele. Todas essas experiências mostrarão que sorte ou azar são apenas questão de ponto de vista.

Sorte, sorte é você ter um bom livro numa tarde chuvosa para ler.
Azar, azar é ser esse o livro.

Me
diz, gente: como ignorar essa sinopse? Sorte ou Azar? é o tipo de livro que foi cuidadosamente elaborado para não ser o que parece. Se você achou a capa fofa, observe novamente... O coelho está usando a própria pata como amuleto. É ou não é uma leitura diferente do que pressupomos? O autor, Filipe Salomão, não hesitou ao nos trazer um enredo através do qual poderemos questionar: afinal, o que é ter sorte?

[Lançamento] Laços

em 29.11.16 16 comentários
'Bora
conhecer o novo romance da nossa parceira Bianca Sousa?

Tive o prazer de ler O Canto do Cisne [resenha] e conhecer o talento dessa autora. Agora venho apresentar Laços, lançamento pelo qual estou animadíssima para prestigiar! A Bianca tem uma narrativa fluída, agradável e encantadora. Não tenho dúvida de que Laços vale muito a pena.

Conheça o e-book e sua autora:


Título: Laços
Autora: Bianca Sousa
Publicação independente: Amazon | 2016 | páginas
Sinopse: Apesar da aparência frágil, Lívia é perigosa.
Aprisionada em uma torre por uma bruxa cheia de segredos e um passado obscuro, Lívia e ela estão mais entrelaçadas do que gostariam.
Contudo, a chegada de um misterioso caçador ao reino de Corvina pode pôr tudo a perder e trazer à tona medos e desejos há muito esquecidos.
"Não existem leis, somente 3 regras: Nunca brinque com a vida, a morte e o destino. Principalmente se eles estiverem de mãos dadas com o amor."



Eu
adoro enredos como esse, que prometem um romance repleto de mistérios e encantos próprios dos contos de fadas. Fico imaginando por que Lívia é perigosa e por que estaria presa! Qual é a intenção dessa bruxa? E, claro, quem será esse caçador?

[e-book gratuito] 8 Faces da Diversidade

em 27.11.16 13 comentários
A
divulgação de hoje é muito significativa para mim!

Venho apresentar a coletânea 8 Faces da Diversidade, da qual participo com um conto. Essa coletânea nasceu do desejo de sua organizadora, Duda Razzera, em reunir contos que abordassem a diversidade

Oito contos compõem essa coletânea, cada um deles apresentando uma face da diversidade com gênero, narrativa e criatividade singulares.

Conheça a coletânea:


Título: 8 Faces da Diversidade
Autores: Duda Razzera, Francine Porfirio, Larissa Andrezzo, PG Karras, Glau Kemp, Diva Pimentel, Fábio Abreu, Flávia Gonçalves e Carlos Henrique Abbud.
Publicação independente: Amazon | 2016 | 110 páginas
Sinopse: Oito Faces da Diversidade, oito contos de representatividade. Entre protagonistas surdos, cadeirantes, homossexuais, idosos... encontramos exemplos de superação, sensibilidade e perseverança. Esta antologia é um convite para desmistificar (pre)conceitos e dar voz à diversidade. É uma iniciativa literária para o cultivo de uma sociedade mais acolhedora.



Representatividade importa.
Por isso, é um grande prazer fazer parte dessa antologia. Tive a alegria de revisá-la e conhecer, de pertinho, a qualidade de cada conto. A leitura vale a pena. Em breve, farei uma resenha para vocês.

É claro que desejo compartilhar com vocês um pouco do meu conto, Palavras Mudas, que abre a obra. Nele, uma adolescente surda ingressa no ensino regular, despertando a curiosidade (e outros sentimentos) dos colegas.

Resenha 153 | A Deusa de Anília e Outras Histórias

em 22.11.16 17 comentários
Título: A Deusa de Anília e Outras Histórias
Editora: Litteris | 2015 | 184 páginas
Autora: Cláudia Miqueloti
Sinopse:
A Deusa de Anília
Um terrível dragão aterroriza a ilha. Krisna Rimeriano precisará de toda sua determinação e coragem para salvar sua amada ilha e conquistar o coração do valente Negro.

A Maldição de Gohran
A cidadela de Manarga vive sob uma maldição imposta pelo temível dragão Gohran. O jovem Menetto e seus companheiros precisam ser bem sucedidos para que Manarga não desapareça.

Mielim e a Harpa Encantada
A harpa dourada foi roubada, debaixo das orelhas pontudas dos Elfos de Lothuen. Bravos guerreiros saíram no encalço do ladrão.

O inferno de Razhenda
O Reino de Razhenda foi devastado por Cormedhor de Austrúcia, um mago ensandecido, que vem se utilizando de seres humanos como cobaias para suas experiências cruéis.

Tremaría e o Gigante da Montanha de Gelo
Uma terrível e monumental criatura, está aterrorizando os viajantes que precisam cruzar a Montanha do Vento Cortante. Kági, Dovan, Armando, Sáfio Liso e a doce barda Jocelyn precisam urgentemente de um trabalho, pois seus bolsos estão vazios.

Resenha

Adoro contos! Por isso, logo que soube de A Deusa de Anília e Outras Histórias, desejei prestigiar o talento da autora Cláudia Miqueloti. Não me arrependi, essa é uma ótima leitura!

A obra apresenta cinco contos, todos de gênero fantasia e envolvendo aventuras épicas. Dou destaque à qualidade da narrativa, pois a autora foi cuidadosa com os detalhes e procurou oferecer ao leitor uma experiência de imersão no contexto criado. Ela não escorregou para a nossa realidade. Cuidou até mesmo para que os nomes dos personagens fossem diferentes do que concebemos como normais. A alimentação, as vestes, a cultura, o aspecto físico, a mitologia... foram planejados pela autora. Em cada conto conhecemos um povo, uma sociedade, diferente. Acho isso fundamental para quem se aventura a escrever fantasia. Levar o leitor para outro universo só é possível quando este se faz verossímil. Cláudia Miqueloti sabe disso como ninguém.

O período histórico dos contos pode ser interpretado como a Era Medieval. As armas e os meios para a sobrevivência são próprios dessa época. Mas a fantasia existe na ausência de conceitos que regem esse período, como paganismo, cristianismo ou monarquia. Achei ótimo a autora não mencionar nenhum desses conceitos e inovar ao criar, em cada conto, um novo contexto.

[Lançamento] A Reportagem

em 18.11.16 10 comentários
Trazer
 novidades da literatura nacional sempre me alegra!

Quando soube de A Reportagem, da autora Bettina Muradás, senti-me muito atraída. Eu adoro "crimes do colarinho branco", pois são (infelizmente) muito realísticos. Nesse romance, a protagonista se envolve na investigação de uma intensa corrupção, capaz de derrubar o presidente. Existe algo mais atual que isso nesse momento? 

'Bora conhecer a obra e sua autora?

Título: A Reportagem
Autora: Bettina Muradás 
Editora: Chiado | 2016
Sinopse: Mulher sensual e jornalista competente, Gisele Coelho recebe uma informação e segue seus instintos. Vai aos Estados Unidos em busca de uma grande história. O advogado Matthew Newman, é o agente especializado em perseguir rastros de fraudes financeiras contratado por ela. Divididos entre a sensualidade superficial e o romance intenso, advogado e cliente mergulham numa relação tempestuosa enquanto enfrentam criminosos e percorrem as ruas de Manhattan e as praias de um paraíso fiscal no Caribe, a procura de pistas que comprovem um esquema de lavagem de dinheiro e corrupção. Nesta busca encontram as peças de um quebra-cabeça que revela segredos da vida pública brasileira. A investigação se transforma no “Dossiê Cayman” e acaba no Congresso Nacional na capital do Brasil. Este jogo perigoso resulta numa reportagem que pode derrubar o Presidente da República e jogar na lama a reputação de políticos e nomes importantes no cenário brasileiro. 

Sério,
gente. Esse livro é a vida imitando a arte, e a arte imitando a vida! Incrível como a autora conseguiu trazer à literatura elementos da nossa realidade.

Black Friday dos Nacionais – 2016

em 17.11.16 18 comentários

Amanhã
começa um dos eventos mais aguardados no Facebook!


É a Black Friday dos Nacionais, evento que está reunindo mais de 60 autores dispostos a oferecer descontos exclusivos na compra dos seus livros.


Até o dia 25/11, você poderá comprar vários nacionais maravilhosos!
As postagens com promoções serão feitas de hora em hora, das 9h às 20h, todos os dias.
Nos dias 26 e 27/11, alguns autores promoverão brincadeiras para os leitores.

Estou ansiosamente esperando por aqueeeele preço camarada para poder dizer:




O que acharam dessa novidade?
Comentem quais livros gostariam de comprar nessa Black Friday!

Resenha 152 | Alice Black – Princesinha do Inferno

em 16.11.16 14 comentários
Título: Alice Black – Princesinha do Inferno
Autores: Carlos Henrique Abbud e Flávia Gonçalves
Editora: Autografia | 2015 | 320 páginas

Sinopse: Alice é roadie da Mell's Angels, uma banda de rock iniciante, cuja estrela é sua irmã mais velha. Humilhada constantemente pelos integrantes, sua situação piora quando descobre que eles venderam sua alma em troca de sucesso imediato. Lançada no submundo, enquanto a banda desponta para o estrelato, Alice inicia uma louca jornada através dos perigos, descobertas, desafios, e – por que não? – encantos de um inferno totalmente rock and roll, governado por um Príncipe das Trevas que talvez nem seja tão terrível assim...



Resenha

Alice Black merece estar na capa. O que essa protagonista viveu na Terra e, depois, nas profundezas do inferno foi digno de nota. Gosto de personagens que são leais não às pessoas, mas a si mesmos; que não traem seus próprios sentimentos; que, mesmo na loucura, se agarram às suas crenças porque são incapazes de simplesmente aceitar a verdade do outro. Alice é assim. Mas isso não quer dizer que seja destemida, ou decidida, ou até mesmo perspicaz. Na verdade, muitas vezes quis gritar com ela para que deixasse de ser ingênua.

Quando um romance me desperta sentimentos ambíguos, me faz desejar entrar na história para mudar o rumo dos acontecimentos e interagir com seus personagens, assumo ter feito uma ótima leitura. Não esperava menos dos autores Carlos Henrique Abbud e Flávia Gonçalves. Interessei-me por Alice Black – Princesinha do Inferno justamente por sua qualidade anticlichê.

Vamos ao enredo:

Alice é uma jovem que vive à sombra, literalmente, como roadie da banda de rock Mell's Angels. Sua irmã mais velha, Melissa, é a vocalista. A banda não faz grande sucesso, mas já está (aos poucos) se lançando em alguns shows noturnos. Alice não se importa de estar atrás do palco, carregando caixas de som, preparando instrumentos, garantindo garrafas d'água e tudo o mais que a banda precisar, mas há algo que a incomoda profundamente: a constante falta de respeito e reconhecimento
Posts Relacionados